Por favor ativar o JS

Menopausa: “Decifra-me ou devoro-te”.

Publicado há 9 meses atrás, por Dra. Alexandra Ongaratto

No caráter multifatorial da ginecologia endócrina destaca-se a necessidade da identificação dos MITOS E VERDADES SOBRE A TRANSIÇÃO MENOPAUSAL E SEU MANEJO.

ava

Embora seja uma alteração fisiológica, grande parte das mulheres tem sua qualidade de vida afetada pelos sintomas característicos dessa fase. A apreensão com relação a como conviver com os sintomas, as incertezas quanto a sexualidade, performance, forma física e a instabilidade emocional, faz com essa fase seja um assustador enigma para grande parte das mulheres. Impregnada por uma carga hormonal e emocional a menopausa traz complicações e angústias, explicadas por múltiplas razões bioquímicas, que podem levar a sintomas físicos e psíquicos de intensidade e impacto variáveis. É importante clarificar que menopausa não é doença, ela faz parte do processo natural de envelhecimento das mulheres. Há uma baixa produção hormonal (progesterona, estrogênio e testosterona), gerando os sintomas físicos e psíquicos que devem ser tratados, para que a mulher tenha sua qualidade de vida assegurada.

Tecnicamente, menopausa significa a última menstruação da vida de uma mulher, sendo seu diagnóstico, portanto, retroativo.

Período este merecedor de cuidados e orientações adequadas, as quais vão desde a reposição hormonal, que deve ser individualizada para cada histórico, até a necessidade de mudanças no estilo de vida, objetivando a melhora da qualidade de vida e o percurso pela fase, de forma saudável. Vale ressaltar que entre os cuidados inclui-se os com aumento de peso. A Sociedade Brasileira do Climatério desenvolveu um programa nutricional eficiente que ajuda mulheres menopausadas a controlar o peso. Vale a pena conhecê-lo. (http://sobrac.org.br/publico_leigo.html)

Dietas, mudanças de comportamento, conscientização da família, manejo hormonal. Enfim, é necessário fazer uma abordagem abrangente, englobando todo o contexto de vida da mulher. Cabe ao médico, seja ele ginecologista, psiquiatra, clínico geral, ter a visão multidisciplinar, e como um spalla, auxiliar a maestrina a colocar sua belíssima orquestra em harmonia.

#Compartilhe nossas publicações